Buscar
  • Clay Gonçalves

Menos é mais?


Em uma conversa despretensiosa com uma amiga, começamos a falar sobre o minimalismo. Descobri que a minha personalidade é naturalmente minimalista! Não me lembro de nenhuma situação em que precisei de um mínimo esforço para me desfazer de algo que já não me era útil. Também nunca fui atingida por impulsos incontroláveis de compras de inutilidades.





O curioso é que, a partir dessa conversa, eu fiz uma viagem ao passado e revi todas as minhas atitudes de consumo e comportamento ao longo da minha vida. Nunca tive muitas roupas, sapatos, acessórios nem outros objetos em geral. A minha bolsa do dia-a-dia é um grande espaço vazio, carrego nada além do essencial: a carteira com documentos e 2 cartões de banco. Quando muito, um creme hidratante para as mãos.

Como muitas outras vertentes de pensamentos de desapego e de vida com sentido, o minimalismo tem sua contribuição para o atingimento de uma vida plena, cheia de tudo aquilo que te faz sentido.

Mas qual é a relação que este assunto guarda com o planejamento financeiro? O conceito minimalista busca atingir a maior realização pessoal possível, para isto é importante eliminar o peso da bagagem. Não há sentido possuir mais do que o necessário. Minimalistas possuem apenas objetos que tem utilidade e não consideram necessário o excesso deles. Um sapato pode ser multifuncional e atemporal, por isso não tem razão de ser ter um sapato para cada ocasião. Um relógio de pulso basta, e você também não precisa consumir além do necessário, a plenitude da vida não está no consumo!

Mas nós precisamos consumir para viver, você pode estar pensando. Sim, precisamos e um dos objetivos de um planejamento financeiro é preservar este poder de consumo ao longo da sua vida, para isso trabalhamos com variáveis como suas receitas, despesas e investimentos para longo prazo.


Mas o que existe por trás de todos esses dados é uma força ainda mais potente: o planejamento financeiro é um excelente exercício de revisão de consumo!

Vou explicar: parte do processo é pensar sobre qual é o estilo de consumo que se pretende na fase de aposentadoria, isso porque uma das nossas atividades como planejadores financeiros é te ajudar a se preparar para esta etapa da vida. Essa decisão é extremamente importante para traçarmos um plano de acúmulo de dinheiro, pois este montante deve refletir o provisionamento das retiradas mensais que você deseja fazer no futuro. E é neste exercício que a maioria das pessoas se depara com decisões que podem trazer profundas mudanças, pois muitos neste momento precisam lidar com a revisão do consumo.

Esse exercício pode trazer dilemas que culminam em mudanças de hábitos, é nesse âmbito que o minimalismo tem a potencialidade de seu significado. Se você ainda não fez este exercício, essa pode ser uma boa justificativa. Em uma rápida curadoria de despesas você pode identificar muito consumo sem sentido. Um exemplo pode ser um plano de celular em que se paga por uma cota de consumo de dados que não se usa em sua totalidade, ou em um excesso de tarifas bancárias e anuidades de cartões que não trazem benefício algum, até mesmo itens de vestuário que ficam meses no armário sem nem mesmo a etiqueta ser retirada.

Esse consumo não racionalizado pode ser reflexo de uma rotina sufocante ou até mesmo uma atitude inconsciente de buscar amparo para questões emocionais. O fato é que, quando se identifica pontos de consumo desnecessário em nossas despesas, ganhamos a oportunidade de revisitar esta atitude e encontrar o que gerou aquele consumo. Parece estranho? Imagine uma situação em que você se encontrava chateado pelo isolamento social, sem poder ver os amigos ou a família, e isso te levou a comprar um guarda-chuva colorido por uma pechincha online, de R$200 por R$119,90. Ah, e esse guarda-chuva custa tudo isso por algum motivo descabido de apelo comercial. Percebe? Se você potencializar o efeito desta reflexão para todos os sues itens de consumo, racionalizando esse comportamento, pode encontrar uma oportunidade valiosa de mudança de hábitos, autoconhecimento e, de quebra, um aumento de poupança.

O minimalismo não busca a batalha com o consumo, não é uma questão de não consumir com o intuito de enfrentar a economia capitalista, ao contrário, é a busca de um consumo que esteja mais alinhado com o sentido que a sua vida tem para você. É consumir aquilo que te completa, abrindo mão do consumo irracional. É potencializar o consumo do que te faz feliz. Por isso o planejamento financeiro é exclusivo para cada pessoa, consideramos manter o seu consumo baseado naquilo que é importante para você.


Somos, em essência, um profissional minimalista.

Para que, depois desse exercício de autodescobrimento, você possa entender como atingir e manter o seu padrão de consumo na sua fase de aposentadoria, acesse a Calculadora da Curva de Vitalidade Financeira® no site https://www.superrico.com.br/

3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo